Imprimir
Categoria: Notícias
Acessos: 2293

A extensão universitária é a ação das universidades que permite à comunidade externa usufruir do conhecimento desenvolvido dentro das mesmas através do ensino e da pesquisa.

Cumprindo sua missão constitucional e sua função social, a Faculdade de Administração e Finanças da UERJ oferece inúmeros projetos de extensão com a participação de alunos, professores, pesquisadores e a sociedade em geral.

Nessa série de matérias que iniciamos hoje, apresentaremos cada um deles.

Um dos inúmeros projetos desenvolvidos em nossa faculdade é o Laboratório de Gestão e Tecnologia Social.

O projeto é coordenado pelo prof. Carlyle Tadeu Falcão de Oliveira e surgiu da sua visão de promover a transferência de tecnologia social produzida no meio acadêmico, aquela desenvolvida para solucionar problemas sociais, para a comunidade externa.

No laboratório, essa transferência é feita possibilitando a integração da sociedade, envolvendo a participação de comunidades carentes, e dos discentes e docentes da universidade em projetos de economia solidária e gestão social.

Na prática, essa transferência de tecnologia social é realizada através da oferta de cursos para capacitação ministrados por professores do laboratório com suporte dos alunos de graduação e pós-graduação.

A preparação dos materiais de aula é feita pelos professores e alunos por meio de pesquisa bibliográfica e documental. Há, ainda, diagnósticos sobre situações reais apresentadas pelos alunos que serão objeto de projetos comunitários com base em empreendimentos cooperados, cujos princípios estão ancorados na Economia Solidária.

A atuação se dá, hoje, em três frentes: com o público da Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI) da UERJ; com comunidades assistidas pela Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro; e com empreendimentos cooperados do Fórum Municipal de Economia Solidária do Rio de Janeiro.

“Almeja-se assim, integrar os alunos a propostas que objetivem um desenvolvimento comunitário sustentável, incentivando a prática acadêmica na formação de profissionais críticos e cidadãos”, explica o professor Carlyle.

Uma das grandes vantagens de participar de projetos de extensão é a utilização prática dos conhecimentos adquiridos nas aulas universitárias. No laboratório não é diferente, como lembra o professor:

—Os alunos serão agentes inseridos em diferentes realidades para trocar conhecimentos, dialogar, desenvolver suas pesquisas e assim poder aplicar a teoria apreendida na Universidade em diferentes espaços e contextos sociais.

A participação no projeto tem duração de um ano e poderá ser renovada por mais um. Ao final, o aluno terá material suficiente e poderá desenvolver seu TCC com base na experiência observada e vivenciada durante os cursos. Caso o TCC não seja de seu interesse, o aluno poderá entregar um relatório de sua participação no projeto.

Qualquer que seja a opção do aluno, o professor acrescenta que “as ações do Laboratório exercerão um importante papel para os alunos envolvidos” e que “a experiência proporcionará o comprometimento do discente com interesses e necessidades sociais, democratizando o conhecimento acadêmico e sua participação efetiva em projetos desenvolvidos com colegas e professores, para a sociedade”.

O Laboratório é, definitivamente, uma excelente oportunidade para pôr em prática o conhecimento adquirido em sala de aula ao mesmo tempo em que se envolve em projetos sociais, acrescentando não somente à formação acadêmica e profissional do aluno, mas também à sua formação pessoal e cidadã.

Os alunos interessados em participar, deverão procurar o professor Carlyle e realizar a solicitação de sua inscrição. O e-mail para contato do professor é Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..